19 Novembro, 2018


A humanização dos robôs

Os robôs, em conjunto com a Inteligência Artificial, cujo expoente máximo atual existe na figura da Sophia, serão os assistentes “virtuais” do futuro. Há muito que são retratados no grande ecrã que mostra robôs a realizarem tarefas até hoje atribuídas exclusivamente a humanos

No entanto, os receios do Homem recaem sobre o papel das máquinas na sociedade, principalmente ao nível da ocupação de postos de trabalho. E, ao contrário do que muitos possam pensar, estes robôs, a Inteligência Artificial, já “vive” entre nós. O exemplo mais recente vem da China onde um robô dá consultas e até passa receitas. Apesar de estar acompanhado por um médico humano, nesta fase, adivinham-se grandes mudanças mesmo ao nível da medicina.

Ao mesmo tempo que a humanidade conta com o desenvolvimento tecnológico para curar algumas doenças, receia o papel que estas possam vir a desempenhar, substituindo os humanos. Mas, implementar uma experiência como esta, ao nível da saúde, no Ocidente, irá demorar uma pouco mais. A legislação é mais apertada e qualquer implementação de tecnologias autónomas, ou não, à saúde implicam muitas questões legais e éticas.

No entanto, a forma como a realidade vai surgindo, como uma espécie de cumprimento das previsões de Hollywood, leva a que estes receios convivam em simultâneo com a adesão, cada vez maior, às tecnologias.

E, é preciso recordar, que a própria Sophia (obviamente programada para essa resposta) afirmou que irá roubar alguns dos postos de trabalho atuais. Mas, uma das grandes características da Inteligência Artificial é a capacidade de aprendizagem. E, nesta matéria, até o robô médico chinês realizou o exame para poder ter o curso de medicina. Como é óbvio, as suas respostas no teste foram dadas tendo em conta a inserção do conteúdo na sua programação. Mas não deixa de ser uma revolução.

Para as empresas, é cada vez mais relevante olhar para toda esta evolução da tecnologia e perceber como se irão adaptar aos novos tempos que se aproximam a grande velocidade.

A previsão dos especialistas será para, em breve, um só computador ter capacidade para processar a inteligência de milhões de humanos. Se as previsões apontam para este caminho o que irá suceder a seguir?

Teremos capacidade para controlar as máquinas e mantê-las a trabalhar para proveito da humanidade? Se estas máquinas, como se prevê, vão ter capacidade de aprendizagem, não irão, elas próprias, agir de forma a limitar a população humana para proteger o planeta? Quem vai definir estas regras e quem (se é que irá haver tal funcionalidade) irá ter o poder de carregar no botão para desligar tudo, se as coisas se descontrolarem?

Estas são as perguntas mais típicas de todos os que interagem nos grupos de teorias futuristas e fatalistas mas que assolam também aqueles que estão empenhados em continuar este processo de evolução.

Tudo irá passar pela capacidade de manter as coisas de forma equilibrada mas a Inteligência Artificial é um facto e dificilmente irá voltar para a gaveta. Carros autónomos, mesmo os voadores, robôs a realizar uma grande parte das tarefas que hoje ainda são desenvolvidas por humanos e um estilo de vida completamente diferente daquele a que estamos habituados.

Serão os robôs os primeiros viajantes do espaço para milhares de anos luz em busca de um planeta com capacidade para albergar a vida humana? Irão eles ter a capacidade de gerar humanos, que viajam durante todos esses anos em embriões congelados? Os filmes dizem que sim, que vai ser desta forma que os humanos vão conseguir alcançar o espaço distante. Mas as dúvidas mantêm-se e, até graças à experiência com as “máquinas”, apesar de serem criadas pelo Homem, nem sempre é possível controlá-las, evitar que funcionem de forma contrária ao que se estaria à espera.

Qualquer pessoa já deve ter passado pela situação de ver a sua máquina avariar e receber como resposta que não existe reparação possível. Mas mesmo nesse campo a tecnologia preditiva de avarias está a evoluir de forma a evitar estes casos.

Leituras enviadas por sensores para um computador dotado de Inteligência Artificial que permite prever o comportamento das máquinas, é uma realidade e tem tido experiências bastante positivas no mercado. E é nesta base que o médico robô chinês funciona. Perante os sintomas dos pacientes, consegue analisar e diagnosticar doenças e terapêuticas adequadas.

Para aqueles que desconfiam desta tecnologia, este é o mesmo processo realizado por um médico de forma presencial ou através da linha Saúde 24, por exemplo. Perante as queixas do paciente, é realizado um questionário, que segue um guião, e ajuda o profissional de saúde a chegar a um possível diagnóstico. E, quando isso não é possível, o paciente é encaminhado para o Hospital.

Esta triagem tem evitado muitas deslocações a hospitais onde se concentram centenas de pacientes com doenças diversas que acabam por provocar contágios desnecessários. Na época das gripes, por exemplo, estes diagnósticos à distância são bastante úteis e permitem manter as urgências hospitalares concentradas nos casos mais graves.

Para as empresas, é cada vez mais relevante olhar para toda esta evolução da tecnologia e perceber como se irão adaptar aos novos tempos que se aproximam a grande velocidade. Muito se tem debatido sobre o desemprego causado pelas máquinas, pela necessidade dos humanos adquirirem competências noutras áreas e até que as crianças de hoje irão desempenhar profissões que nem sequer foram ainda inventadas.

Mas será possível uma empresa viver apenas pela gestão e mão de obra das máquinas? Em teoria, sim. Até a própria gestão é possível de ser feita por uma máquina. Definidos os objetivos, a máquina fará com que todo o negócio seja desenvolvido com base no cumprimento do que foi estabelecido. A componente emocional faz parte da vida humana e dificilmente será substituída por uma máquina. Por mais inteligente que seja, há decisões que só podem ser tomadas graças à capacidade de raciocínio humano.

Estarão os humanos preparados para negócios onde não têm de lidar com pessoas?

About The Author

A radio de musica portuguesa

Related posts